PROPOSTA CURRICULAR

 

APRESENTAÇÃO

 

 

            A reestruturação da Proposta Pedagógica da Escola Municipal de Educação Infantil e Ensino Fundamental Paulo Freire referente ao ano de 2009, teve a participação do Corpo Técnico Administrativo e Apoio, Corpo Docente, Corpo Discente, Conselho Escolar da Gestão Democrática e Parceiros da Escola. Tendo como objetivo melhorar o Ensino-aprendizagem, por meio de ações cooperativas entre pessoas envolvidas no processo educacional e ao mesmo tempo proporcionar a toda comunidade escolar tanto interna como externa a oportunidade de refletir sobre os principais problemas da Escola bem como em conjunto definir responsabilidades e juntos buscar possíveis soluções para os problemas quer pessoais quer coletivos. Buscando assim a integração entre todos por meio de troca de experiência, valorizando a cada individuo.

            Através da Proposta Pedagógica a Escola poderá direcionar suas propostas de trabalho de maneira clara, objetiva e real, tendo assim maior autonomia, mais flexibilidade, um ensino de qualidade e consequentemente uma Escola aberta onde o planejamento e a execução das políticas públicas caminhem juntas. Nesse sentido apresentamos uma Proposta Pedagógica baseada na concepção que possa fazer do ser humano cada vez mais ativo e inovador, inserindo-o num ambiente histórico e social mutáveis. Desse modo buscamos o aperfeiçoamento da prática pedagógica, conscientes que é necessário estar atentos e sempre abertos às mudanças e que esse projeto poderá estar sendo ajustado a inserção de novas práticas.

 

                       

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

 

ESCOLA MUNICIPAL DE EDUCAÇÃO INFANTIL E ENSINO FUNDAMENTAL

PAULO FREIRE

    Figura 1: Foto da escola vista de frente de fora

 

     Foto: Valdivio Simões – 10/2010

 

           Figura 2: Foto do espaço interno da escola – pátio.

 

      Foto: Valdivio Simões – 10/2010

 

JUSTIFICATIVA

 

 

            A Proposta Pedagógica Escolar torna-se fundamental para a Escola por ser um elemento que norteia o trabalho visando a eficácia na aprendizagem dos alunos bem como assegurar a permanência numa Escola que lhe dê prazer e qualidade na aprendizagem.

 

            Para que haja uma ação coletiva faz se necessário a participação bem como o envolvimento de alunos, professores, gestores, corpo técnico administrativo e pedagógico, pessoal de apoio pais e comunidade local, onde todos juntos estarão buscando alternativas e promovendo dia-a-dia inovações no cotidiano escolar.

 

            No entanto é importante lembrar que a construção da Proposta Pedagógica não se deve ser apenas uma obrigação legal a que a Escola se submete, mas uma conquista onde está  estampado sua organização e a busca da autonomia em suas decisões, conforme a Lei de Diretrizes e Base de 9.394|/96.

 

            A elaboração da Proposta Pedagógica só foi possível mediante a participação dos segmentos dessa Instituição, que juntos contribuíram trabalhando de forma organizada e democrática, buscando um fim comum, a aprendizagem do aluno e ampliando o horizonte de decisões, divisões do trabalho e responsabilidades. Por outro lado a construção da Proposta Pedagógica proporciona discussão, negociação, canalização positiva dos interesses, onde será garantido a pratica dos direitos bem como as obrigações de todos envolvidos no processo da aprendizagem. E só assim será garantida a continuidade do trabalho, mesmo com possíveis mudanças necessárias, porém mediante exigências dos órgãos responsáveis pelo sistema educacional.

 

            A sociedade escolar tende a desenvolver ações integradas entre os educando e todos aqueles que fazem da Proposta Pedagógica, um compromisso com a educação e o desenvolvimento de pessoas envolvidas enquanto ser individual e social.

           

            Sendo assim, a Escola adotará condutas educativas que envolva não somente a relação professor e aluno, mas todas as relações interpessoais possíveis afim de que cada segmento garanta seu espaço na construção e implementação da Proposta Pedagógica.

1.      DIAGNÓSTICO

1.1. CONTEXTUALIZAÇÃO

1.1.1. HISTÓRICO

 

 

A Escola Municipal de Educação Infantil e Ensino Fundamental Paulo Freire foi criada no ano de 2002 pelo Decreto Nº. 189/GP/PMB/2002, publicado em 25/03/2002, para atender aos alunos da zona urbana, tendo em vista o grande número de famílias que chegavam a Buritis e não encontravam vagas nas escolas estaduais existentes na época.

 

Tendo em vista a urgência para atender a grande demanda escolar, a Escola Paulo Freire iniciou suas atividades em um prédio já existente, situado na Avenida Porto Velho S/Nº, onde funcionou por vários anos a Escola Estadual Buriti em anos anteriores.

 

A Escola recebeu esse nome em homenagem ao grande educador Paulo Freire, que muito contribuiu para a educação. Administrada pela Secretaria Municipal de Educação Cultura e Esporte deste município, iniciou suas atividades com 09 salas de aulas, 01 pequena sala para professores, sala para supervisão e cozinha. A secretaria escolar ficava na SEMECE, onde era feito os devidos registros e guardado os documentos dos alunos, onde permaneceu até o ano de 2006. A Escola teve como sua primeira Diretora a senhora Maria Nilza Silva Nascimento, que atou até os três primeiros meses do ano de 2008.

 

A Escola iniciou suas atividades atendendo a uma clientela de 567 alunos, divididos em diversos segmentos: Educação Infantil, Ensino Fundamental (1ªe 2 ª série) e atendeu o Projeto de Educação Rural (PROSER) alunos da zona rural e EJA, projetos específicos da Secretaria de Educação.

 

No ano de 2003 a Escola atendeu a 683 alunos, com os mesmos níveis já existentes e acrescentando 02 turmas de 3ª série.

 

Em 2004, continuou atendendo com os mesmos níveis já existentes e implantou a 4ª série com 02 turmas totalizando 643 alunos.

No ano de 2005 devido ao péssimo estado físico do prédio foi necessário demolir  um dos pavilhões e consequentemente houve uma redução ao atendimento de alunos, deixando de atender os alunos do Projeto de Educação Rural (PROSER), passando atender a 394 alunos, da Educação Infantil e do Ensino Fundamental, continuando atendendo o Projeto de Educação de Jovens e Adultos-EJA.

 

Em 2006 a Escola continuou atendendo os mesmos níveis de ensino do ano anterior em um total de 398 alunos, porém o prédio já em péssimas condições físicas. Mediante a urgente necessidade da construção de um novo prédio para dar maior e melhor segurança aos alunos, a Secretaria Municipal de Educação Cultura e Esporte dá as providências para a construção do prédio.

 

Finalmente com o prédio construído a Escola mudou-se para a Rua Marechal Hermes da Fonseca Nº1360 Setor 02, iniciando suas atividades no ano de 2007 com prédio construído em alvenaria, com 09 salas de aula, 06 salas administrativa (Direção, Supervisão, Orientação, Sala de professores, Sala de leitura e Secretaria), 02 banheiros (01 masculino e 01 feminino) com 03 sanitários cada e 01 banheiro para funcionários, 01 cozinha, 01 pátio coberto onde serve merenda aos alunos.  Funcionando nos períodos matutino e vespertino, atendendo a 18 turmas, Educação Infantil e Ensino Fundamental do 1º ao 5º ano num total de 568 alunos. Nesse ano a Escola cedeu o espaço físico para atendimento noturno aos alunos da  Faculdade Claretiano que ministra cursos para o Ensino Superior.

 

Em 2007 o poder executivo juntamente com o poder legislativo dá as providências e aprovam a Lei Nº 356/2007 que dá a   Escola pública municipal autonomia para que a comunidade (os pais de alunos) juntamente com os funcionários participassem de eleição através do voto direto para a escolha da Direção da Escola e Conselho Escolar, adotando a Gestão Democrática, dando autonomia a Escola nos aspéctos financeiros administrativos e pedagógicos. E após eleição foi eleita como Diretora a Senhora Maria Nilza do Nascimento e Ormezinda Célia Dias como Vice-Diretora, com  mandato de dois anos, tendo início   no ano de 2008 e término em 2009.

 

Em 2008 a Escola atendeu a 528 alunos distribuídos em 18 turmas, sendo alunos da Educação Infantil e Ensino Fundamental do 1º ao 5º ano. A Escola cedeu o pátio escolar nos finais de semana para a Capoeira, esporte esse que envolve a comunidade do bairro.

 

A Escola Municipal de Educação Infantil e Ensino Fundamental Paulo Freire, funciona no período noturno com os alunos do PEJAB- Programa de Educação de Jovens e Adultos de Buritis, 1° e 2º seguimentos, a Escola oferece espaço físico com cedência de sala de aula.

 

Em  2009 a Escola atendeu  um total de 539 alunos sendo: 03 turmas de Educação Infantil com 77 alunos, (01 matutino, 01 turma intermediário provisoriamente e 01 vespertino) e 16 turmas do 1º ao 5º Ano do Ensino Fundamental com 462 alunos.

Em 2010 a Escola atende a 592 alunos distribuídos em 24 turmas, sendo que das turmas citadas 08 estão sendo atendidas nas dependências do antigo Colégio Amiguinho Extensão da Escola Paulo Freire sendo estas: 03 turmas de Educação Infantil no período matutino, 02 no período vespertino, e 01 turmas do 1ºAno do Ensino Fundamental no período matutino e 02 no período vespertino. As demais turmas são atendidas na própria escola, sendo que destas, 01 turma do 1º ano, 02 do 2º, 02 do 3º, 01 do 4º, 01 do 5º e 01 do PAA I (Programa de Aceleração da Aprendizagem) são atendidas no período matutino. 01 turma do 1º ano, 02 do 2º, 01 do 3º, 01 do 4º, 01 do 5º e 01 do PAA I e 01 do PAA II são atendidas no período Vespertino.

 

BIOGRAFIA

 

            A Escola recebeu esse nome em homenagem ao grande educador Paulo Freire, que trabalhou incansavelmente para o desenvolvimento do aluno como um todo voltado para uma prática de educação Libertária Paulo Freire nasceu em Recife em 1921 e faleceu em 1997. É considerado um dos grandes pedagogos da atualidade e respeitado mundialmente. Em uma pesquisa no Altavista encontramos um número maior de textos escritos em outras línguas sobre ele, do que em nossa própria língua. Embora suas idéias e praticas tenham sido objeto das mais diversas críticas, é inegável a sua grande contribuição em favor da educação popular. Publicou várias obras que foram traduzidas e comentadas em vários paises. Suas primeiras experiências educacionais foram realizadas em 1962, em Angicos, no rio Grande do Norte, onde 300 trabalhadores rurais se alfabetizaram em 45 dias. Participou ativamente do MCP (Movimento de Cultura Popular) do Recife. Suas atividades são interrompidas com o golpe militar que determinou sua prisão. Exila-se por 14 anos no Chile e posteriormente vive como cidadão do mundo. Com sua participação, o Chile recebe uma distinção da UNESCO, por ser um dos países que mais contribuíram a época para superação do analfabetismo. Em 1970 junto a outros brasileiros exilados em Genebra, suíça, cria o IDAC (Instituto de Ação Cultural) que assessora diversos movimentos populares, em vários locais do mundo. Retornando do exílio Paulo Freire continua com suas atividades de escritor e debatedor, assume cargos em universidades e ocupa ainda o cargo de Secretário Municipal de Educação da Prefeitura de São Paulo, na Gestão da prefeita Luiza Erundina, do PT.

Algumas das suas principais obras: Educação como Prática da Liberdade, Pedagogia do Oprimido, Cartas à Guiné de Bissau, Vivendo e Aprendendo, A importância do Ato de Ler.

 

1.1.2. CONTEXTO-SÓCIO ECONÔMICO E CULTURAL

  

A Escola está localizada no Setor 02, à Rua Marechal Hermes da Fonseca Nº1360, bairro próximo ao centro da cidade, com alguns bares, lojas, farmácias, fabrica de tijolos, posto de gasolina, igrejas católicas e evangélicas, Prefeitura, Secretaria Municipal de Educação, Ministério Publico e Câmara Municipal, não possui pavimentação asfáltica próximo a Escola e o saneamento básico é inexistente no município. A Escola é abastecida pela água de poço comum localizado na própria instituição. A água utilizada para beber passa pelo processo de filtragem e é servida por meio de bebedouro afixado no pátio coberto próximo a cozinha.

A comunidade escolar é constituída por pessoas que trabalham em sítios próximos a cidade, serrarias, poucos comerciários, vendedores a domicilio. A média salarial é de aproximadamente um salário mínimo e meio. Um número bem significativo possui casa própria.

Entre a comunidade escolar tanto interna como externa predomina a religião Evangélica  com um número bem acentuado de católicos Quanto à escolaridade a maioria possui o Ensino Fundamental com predominância a 4ªsérie e Ensino Médio incompleto.

A população do bairro onde se encontra a Escola é quase toda migrante, vinda de vários estados do país, com predominância a Região Norte e com número bem expressivo de pessoas vindas de outras cidades do Estado de Rondônia. A população é jovem, uma faixa etária de 25 a 40 anos.

 

1.2. CARACTERIZAÇÃO

1.2.1. Dos discentes

 

A Escola de Educação Infantil e Ensino Fundamental Paulo Freire atende a uma clientela de 592 alunos, sendo 106 de Educação Infantil, 486 alunos do 1º ao 5ºano do Ensino Fundamental e Projeto De Aceleração da Aprendizagem – PAA I e II e Primeiro e Segundo Segmento da Educação de Jovens e Adultos sendo 26 do primeiro segmento que corresponde as séries iniciais do Ensino Fundamental e 72 do segundo segmento que corresponde as series finais do ensino fundamental A clientela é bastante heterogênea, vindos de várias regiões do país, sendo a maioria do Estado de Rondônia, e um pequeno número são naturais de Buritis.

Apresentam gostar da comunidade onde vivem, são filhos de funcionários de serrarias, pequenos agricultores, comerciários e vendedores a domicilio. A maioria dos alunos mora próximo à Escola. Quanto á estabilidade familiar percebe-se que há um grande contingente de alunos que não possuem a família completa, moram com avós, tios ou com um dos pais. Aproximadamente 40% das mães trabalham fora, exercendo função de vendedoras ambulantes, balconistas e secretárias do lar, entre outras atividades.

 

 

     Quadro I: Caracterização PRÉ A

 

 

Série/

Turma

 

 

 

Alunos frequentes

Idade

Natura-lidade

Religião

Condições sócio-econômica

5 anos

Rondônia

Outros

 

Ev.

 

Cat

 

Out

Não informou

 

Menos de um salário

 

um salário

 

Mais de um salário

Não informou

 

PRÉ- A

 

18

 

18

 

15

 

03

 

9

 

8

 

-

 

-

 

1

 

6

 

6

 

5

                           

 

 

Quadro II: Caracterização PRÉ B

 

 

Série/

Turma

 

 

 

Alunos frequentes

Idade

Natura-lidade

Religião

Condições sócio-econômica

5 anos

Rondônia

Outros

 

Ev.

 

Cat

 

Out

Não informou

 

Menos de um salário

 

um salário

 

Mais de um salário

Não informou

 

PRÉ- B

 

19

 

19

 

15

 

04

 

10

 

4

 

-

 

6

 

-

 

3

 

6

 

10

                           

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Quadro III: Caracterização PRÉ C

 

 

Série/

Turma

 

 

 

Alunos frequentes

Idade

Natura-lidade

Religião

Condições sócio-econômica

5 anos

Rondônia

Outros

 

Ev.

 

Cat

 

Out

Não informou

 

Menos de um salário

 

um salário

 

Mais de um salário

Não informou

 

PRÉ- C

 

20

 

20

 

17

 

3

 

6

 

10

 

-

 

4

 

3

 

3

 

8

 

6

                           

 

Quadro IV: Caracterização PRÉ D

 

 

Série/

Turma

 

 

 

Alunos frequentes

Idade

Natura-lidade

Religião

Condições sócio-econômica

5 anos

Rondônia

Outros

 

Ev.

 

Cat

 

Out

Não informou

 

Menos de um salário

 

um salário

 

Mais de um salário

Não informou

 

PRÉ- D

 

22

 

22

 

19

 

3

 

3

 

5

 

-

 

12

 

-

 

5

 

2

 

13

                           

 

Quadro V: Caracterização PRÉ E

 

 

Série/

Turma

 

 

 

Alunos frequentes

Idade

Natura-lidade

Religião

Condições sócio-econômica

5 anos

Rondônia

Outros

 

Ev.

 

Cat

 

Out

Não informou

 

Menos de um salário

 

um salário

 

Mais de um salário

Não informou

 

PRÉ- E

 

20

 

20

 

16

 

04

 

8

 

3

 

-

 

9

 

1

 

5

 

5

 

9

                           

 

Quadro VI: Caracterização 1º Ano A

 

 

Série/

Turma

 

 

 

Alunos frequentes

Idade

Natura-lidade

Religião

Condições sócio-econômica

6 anos

Rondônia

Outros

 

Ev.

 

Cat

 

Out

Não informou

 

Menos de um salário

 

um salário

 

Mais de um salário

Não informou

 

1º A

 

21

 

21

 

12

 

09

 

7

 

2

 

-

 

12

 

2

 

3

 

4

 

11

                           

 

 

 

Quadro VII: Caracterização 1º Ano B

 

 

Série/

Turma

 

 

 

Alunos frequentes

Idade

Natura-lidade

Religião

Condições sócio-econômica

6 anos

Rondônia

Outros

 

Ev.

 

Cat

 

Out

Não informou

 

Menos de um salário

 

um salário

 

Mais de um salário

Não informou

 

1º B

 

24

 

24

 

20

 

4

 

7

 

3

 

3

 

11

 

4

 

7

 

2

 

16

                           

 

Quadro VIII: Caracterização 1º Ano C

 

 

Série/

Turma

 

 

 

Alunos frequentes

Idade

Natura-lidade

Religião

Condições sócio-econômica

6 anos

Rondônia

Outros

 

Ev.

 

Cat

 

Out

Não informou

 

Menos de um salário

 

um salário

 

Mais de um salário

Não informou

 

1º C

 

23

 

23

 

17

 

6

 

6

 

5

 

-

 

12

 

3

 

6

 

3

 

11

                           

 

Quadro IX: Caracterização 1º Ano D

 

 

Série/

Turma

 

 

 

Alunos frequentes

Idade

Natura-lidade

Religião

Condições sócio-econômica

6 anos

Rondônia

Outros

 

Ev.

 

Cat

 

Out

Não informou

 

Menos de um salário

 

um salário

 

Mais de um salário

Não informou

 

1º D

 

23

 

23

 

18

 

5

 

10

 

1

 

-

 

12

 

1

 

5

 

9

 

9

                           

 

Quadro X: Caracterização 1º Ano E

 

 

Série/

Turma

 

 

 

Alunos frequentes

Idade

Natura-lidade

Religião

Condições sócio-econômica

6 anos

Rondônia

Outros

 

Ev.

 

Cat

 

Out

Não informou

 

Menos de um salário

 

um salário

 

Mais de um salário

Não informou

 

1º E

 

22

 

22

 

14

 

09

 

12

 

4

 

-

 

6

 

2

 

13

 

5

 

2

                           

 

 

 

Quadro XI: Caracterização 2º Ano A

 

 

Série/

Turma

 

 

 

Alunos frequentes

Idade

Natura-lidade

Religião

Condições sócio-econômica

7 anos

8 anos

 

9 anos

10 anos

Rondônia

Outros

 

Ev.

 

Cat

 

Out

Não informou